Connect with us

Geral

Contêineres destinados a lixo comum têm menor vida útil em função de mau uso

Entre abril e junho de 2020, foram realizados oito pedidos de recolhimento de contêineres de lixo danificados; substituições são realizadas conforme disponibilidade no estoque

Published

on

Contêineres dispostos em estacionamento de área comercial; um deles com rodízio danificado

Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos (Seisp) recebeu, por telefone, entre 1º de abril e 30 de junho de 2020, oito pedidos de recolhimento de contêineres de lixo danificados. Os pedidos são de moradores que se sentem afetados pela falta dessas estruturas para armazenamento adequado de lixo pelo telefone (63) 3212-7426 das 13 às 19 horas de segunda a sexta-feira. As substituições são feitas à medida que há disponibilidade de estoque.

O caso mais recente foi constatado no último dia 26 de junho em rua lateral à Feira Coberta da Arno 33 (307 Norte), quando dois contêineres foram totalmente queimados. Um novo foi recolocado no local, mas os sinais do derretimento do polietileno (plástico de alta densidade) ficaram aderidos ao asfalto. Em abril deste ano, caso semelhante havia sido registrado na Arne 12 (106 Norte) e no setor Morada do Sol III. Em pelo menos um dos casos, o derretimento foi causado, possivelmente, por despejo de carvão em brasa ou outro resíduo ainda em chamas.

Outros motivos para que as estruturas sejam danificadas podem ser a quebra de rodízio, dano ao encaixe do contêiner para acoplamento no caminhão de coleta (munhão para basculamento) e excesso de peso pelo descarte de móveis velhos ou restos de obras. Segundo a pasta, estes resíduos, especificamente, devem ser descartados em contêineres de metal destinados a resíduos da construção civil, disponibilizados pelo Disque-Entulho de livre escolha do cidadão.

A Seisp não tem balanço fechado de quantos contêineres precisou substituir ou realizar manutenção em função de mau uso este ano. No entanto, cada novo caso de vandalismo ou uso inadequado traz prejuízos ao município de R$ 1.300 (preço médio de uma unidade) e a todos aqueles que faziam uso do contêiner.  “Eu acredito que o que falta é prudência de quem usa. Não é algo pessoal, é um bem coletivo. Se a gente parar para pensar que ter onde colocar lixo ajuda todo mundo, inclusive, o meio ambiente e quem trabalha com a coleta também”, opinou a vendedora Esmeralda Trindade.

 

Finalidade

Segundo o superintendente de Serviços Públicos da pasta, Adão Maia, os contêineres azuis distribuídos pela Capital devem receber apenas lixo doméstico embalado em sacos plásticos. Todo resíduo ali depositado é recolhido pela coleta regular e encaminhado ao Aterro Sanitário.

Vale ressaltar que o desrespeito a esta norma torna o cidadão passível de multa. Denúncias dessa natureza podem ser feitas à Guarda Ambiental pelo telefone 153.

Leia também: Recolhimento de lixo descartado em condições irregulares custou R$ 550 mil ao Município de Palmas

 

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais Lidas