Connect with us

Brasil

Queiroga desvia de perguntas sobre cloroquina, mas afirma: ‘pode causar arritimia’

Questionado sobre o uso da medicação para tratamento da covid-19 na CPI da Pandemia, o ministro da Saúde afirmou que não faria “juízo de valor”, mas reconheceu o efeito colateral

Published

on

Senadores pressionaram o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a se posicionar sobre o uso de cloroquina e outros medicamentos, nesta quinta-feira (6), durante a oitiva na CPI da Pandemia. Contudo, Queiroga evitou responder se concorda com o uso de cloroquina como “tratamento precoce” contra a covid-19, mas reconheceu que o uso indiscriminado do medicamento pode causar arritimia cardíaca.

— Independentemente de o paciente ter covid-19 ou não, esses medicamentos, como outros medicamentos, podem causar arritmia. Então, isso aí precisa ser avaliado pelo médico — afirmou ao responder a Otto Alencar (PSD-BA).

O uso de cloroquina e outros medicamentos recomendados pelo presidente Jair Bolsonaro no tratamento contra a covid-19 foi motivo de discussão entre senadores na comissão parlamentar de inquérito. Senadores governistas alegaram que o relator, Renan Calheiros (MDB-AL), estava induzindo o ministro a um tipo de resposta. Renan perguntou se ele compartilhava da opinião do presidente Jair Bolsonaro. O ministro disse que não faria “juízo de valor”, mas que “essa é uma questão técnica” e apontou a existência de correntes contrárias e favoráveis ao “tratamento precoce” e ao uso de medicamentos.

Queiroga alegou ainda que ele, como integrante da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec), precisará se manifestar futuramente sobre o assunto. O ministro afirmou querer reunir a opinião de diversas sociedades científicas sobre o tema e chegar em um consenso para “pacificar” a questão.

— Essa é uma questão técnica que ser enfrentada pela Conitec. Eu sou instância final decisória e posso ter que dar um posicionamento acerca deste protocolo assim que ele for elaborado — afirmou.

Assim como Renan, o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou que essa deveria ser uma resposta objetiva. “Sim ou não?”, questionou Aziz. Tasso Jereissati (PSDB-CE), Alessandro Viera (CIdadania-SE) e outros senadores também cobraram um posicionamento mais claro do ministro.

— Se o Brasil não tem uma orientação sobre esse assunto do Ministério da Saúde, nós estamos muito mal, ministro, o senhor me desculpe — disse Tasso.

Diante de cobrança do vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), e do senador Eduardo Braga (MDB-AM) sobre o motivo de, após um ano, não haver um protocolo para o tratamento da covid-19, o ministro respondeu que um protocolo está sendo elaborado.

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) mostrou preocupação com o foco da CPI.

— Antes de começar, eu começo a questionar até o nome que estão dando a esta CPI: se deve ser CPI da Pandemia ou CPI da Cloroquina? Porque não se fala em outra coisa, a não ser nela. Nós estamos em rede nacional e vendo muitas vezes autoridades aqui, que inclusive não são profissionais da área da saúde, fazerem verdadeira apologia a um remédio que efetivamente não tem eficácia comprovada — disse a senadora.

Queiroga reforçou que o “tratamento precoce” não é uma questão “decisiva” no combate ao coronavírus, ao contrário da vacinação. O ministro negou que haja pressão de Jair Bolsonaro ou de integrantes do Planalto para prescrever a cloroquina no tratamento da doença e disse que não autorizou ou tem conhecimento sobre a distribuição da medicação em sua minha gestão.

Durante a reunião, Renan defendeu a convocação da secretária de Gestão do Trabalho do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, que segundo notícias veiculadas pela imprensa, seria a responsável pelo planejamento de uma comitiva de médicos que difundiu o uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19 .

Já Luis Carlos Heinze (PP-RS) cobrou a convocação de médicos que defendem o uso da cloroquina e outros medicamentos. Em resposta, o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), garantiu que será garantido espaço a todos.

— Eu acho que, no debate, independentemente de quem pense de uma forma ou de outra, é papel do Senado ouvir a todos, Eu acho que, no momento certo, vamos ouvir, sim — disse Omar Aziz.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mais Lidas